publicidade
18 de setembro de 2012 • 18h05 • atualizado às 18h06

Especialista ensina “iniciantes” a apreciar uísque

O mixologista Lelo Forti explica que a idade e a experiência do apreciador determinam a forma e o tipo de bebida que será consumida.
Foto: Getty Images
  • Porto Alegre
 

Com a degustação de cervejas e vinhos se popularizando, o uísque também começa a ganhar seus adeptos. No entanto, não existe fórmula para a escolha, uma vez que cada paladar muda de acordo com a idade e experiência de cada um.  A pedido do Terra, o mixologista Lelo Forti dá dicas básicas para começar a apreciar a bebida.

Confira o perfil dos consumidores de bebidas alcoólicas

O primeiro passo para degustar uísque é experimentar várias marcas diferentes para descobrir qual lhe agrada. "Você precisa abrir uns 30 rótulos para buscar essas notas, dos que apresentam o álcool mais forte, do mais amargo... Quando descobrir o seu paladar, vai descobrir o seu uísque. O melhor uísque para se beber é aquele que você quer beber da sua maneira”, diz o especialista. “Pode ser com água tônica, com energético, com água com gás ou caubói. Não existe uma maneira correta, todas as maneiras são certas, desde que você fique feliz", afirma Forti.

No entanto, ele explica que a idade e a experiência do apreciador determinam a forma e o tipo de bebida que será consumida. "Um menino de 20 anos não sabe escolher um uísque porque ele não toma puro e, a partir do momento que você mistura com outra coisa, pode ser qualquer um. Quando você tem 30, 35, 40 anos, você já fica seletivo em tudo na vida (...) isso é que nem uísque, quanto mais velho, melhor".

No caso de bebidas de pouca maturação, Forti diz que a água ajuda a liberar os aromas. "Com o uísque de 3, 4 anos você precisa botar gelo para diluir por dois motivos: ele não está muito maturado, então, está muito forte e você precisa soltar os aromas e dar uma aliviada", explica. Segundo ele, esse é o tipo de bebida indicado para drinques e para misturar com energético.

Para quem vai experimentar as marcas mais envelhecidas, a opção pela adição de água se torna algo mais particular. "Com um uísque a partir de 15 anos, você não precisa de nada, porque ele ficou tanto tempo no barril que tem a graduação alcoólica igual à de um de 12 anos, mas muito mais amadeirado. Sua sensação alcoólica é muito mais baixa”, diz o mixologista. “No máximo, se coloca um pouquinho de água para soltar o cheiro, porque a água abre tudo", afirma. "Quando mais velho, mais saboroso, mas menos você mistura e menos você bebe”, diz. “Eu nunca abriria uma garrafa de 30 anos e a tomaria inteira - seria apenas uma dose para brindar", continua.

Forti diz que o copo deve ter uma abertura maior para ajudar a liberar os aromas, mas afirma que até taças de vinho branco têm sido usadas por mulheres, para tirar um pouco do estigma masculinizado que a bebida carrega no Brasil.  "Você precisa de uma taça com a boca mais aberta para  soltar o aroma, mas a taça para vinho branco é um copo mais feminino, mais bonito, esteticamente para a mulher segurar", explica Forti.

Terra